sábado, 19 de agosto de 2017

Vamos adotar?

Olá, olá,
Hoje é o Dia Internacional do Animal Abandonado, faz sentido que seja, infelizmente, pois é nesta altura do ano em que se verifica uma enooorme quantidade de abandonos. Tinha pensado em fazer uma lista com todas as vantagens de adotar um animal, referir o tudo de bom que eles podem ser na nossa vida e, claro, toda a felicidade que podemos dar ao tirar um cãozinho ou um gatinho da rua. Mas acredito que o amor que demonstro também sirva de apelo a todos aqueles que têm condições para ter um (ou mais um) animal mas ainda não se decidiram a ADOTAR (não comprar).
Em meio de toda a tristeza destes últimos tempos, eis que surgiu mais um alento para a minha vida, um novo membro na família de coração. Foi no dia 18 de junho, enquanto ardiam os últimos eucaliptos ao cimo da nossa urbanização, que voltámos a avistar esta criaturinha linda, que a mãe, com muito medo certamente, voltou a trazê-la do esconderijo, para o jardim do meu padrinho, onde já havia estado com ela e mais três irmãos, dos quais só dois sobreviveram. Mas de quem é que eu estou a falar? Da minha Tuxa, uma gata (imitação de) siamesa, de 4 meses.
Vocês já sabem que tenho a minha Lolita, já a conhecem. Mas uma coisa que não sabiam, provavelmente, é que ela ODEIA gatos, não pode ver um por perto! No entanto, ela sabia que esta seria diferente, que esta era importante para nós, pois acarinhou-a desde o primeiro dia, mostrando-nos que é realmente uma cadela super inteligente, amorosa, especial... E a Tuxa também o é! Confesso que não sou pessoa de gatos, sempre me considerei maior fã de cães, e isso porque não os conseguia entender, não sabia o amor que um gato nos pode dar, que é diferente daquele a que estamos habituados a receber dos cães.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Renascendo

Foto: Bruno Silva
Coentral, Castanheira de Pera, Julho/2017
Passaram-se dois meses da tragédia e eu continuo sem saber o que dizer ou como o dizer, sabem? Está aqui tudo trancado e continua a pesar todo este cinzento à nossa volta - salvam-nos os fetos que já brotam do meio das cinzas. Para quem não sabe do que estou a falar, sou de Castanheira de Pera, por onde passou aquele incêndio infernal que tanto com ele levou. E eu tenho muita necessidade de falar nisto, mas não consigo! E não é à falta de me perguntarem se iria escrever sobre o mesmo... Mas o que querem que escreva ao certo? Eu queria saber o que dizer, juro!
Ainda na noite passada, sonhei que estava tudo a arder, é sonho recorrente nestes dois meses, e acordo, mais uma vez, com os gritos do meu pai ("Senhor Álvaro, venha molhar as coisas!") que continuam na minha cabeça e já são do incêndio do ano passado. Nada que se tenha comparado à tragédia que por aqui passou desta vez, mas foi a primeira vez que senti na pele o que era a iminência de perdermos as nossas coisas, a terrível adrenalina do pensamento "Eu posso morrer aqui". "Podemos todos morrer aqui", pensei muitas vezes, já sabendo do triste destino de tantos outros que perderam a vida a escassos quilómetros de nós... E do destino daqueles que viram as suas coisas a serem devoradas pelas chamas, por aquele tornado de fogo que se aproximava com tanta força de nós e trazia atrás o cheiro do medo. E o cheiro continua cá. Eucaliptos. Eucaliptos queimados. Cinzas. Terra e cinza húmida, pelo fresco da noite.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Para pessoas especiais...

Olá, olá
Ao longo deste mês, três pessoas muito especiais na minha vida fazem anos, uma delas é a minha mãe e a outra é a minha melhor amiga - que faz anos exatamente hoje! 
E quem é a minha melhor amiga? É a pessoa que partilha comigo grande parte dos serões e das refeições, até as mais tardias, em Coimbra, é quem me lava a louça quando eu estou com preguiça, é a pessoa com quem eu vejo os meus amados filmes de terror, enquanto comemos pipocas salgadas e bebemos chá, é com quem partilho a minha cama, algumas vezes, e ainda a deixo ficar com mais de metade do espaço e dos lençóis, enquanto durmo num cantinho - desculpa lá pelo desabafo público, ehehe - porque não gosto nada dela! É uma pessoa super inspiradora, cheia de vontade de viver, cheia de objetivos. Também tem umas mudanças de humor repentinas, parece que, às vezes, se chateia comigo - mas eu não sou fácil, né? - e tem a cabeça na lua, mas não me importo porque ela, pelo menos, faz de conta que me ouve. E além disso ainda é talentosa, uma ótima cozinheira (tal como eu!) e parece que sabe sempre no que estou a pensar...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...