quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Renascendo

Foto: Bruno Silva
Coentral, Castanheira de Pera, Julho/2017
Passaram-se dois meses da tragédia e eu continuo sem saber o que dizer ou como o dizer, sabem? Está aqui tudo trancado e continua a pesar todo este cinzento à nossa volta - salvam-nos os fetos que já brotam do meio das cinzas. Para quem não sabe do que estou a falar, sou de Castanheira de Pera, por onde passou aquele incêndio infernal que tanto com ele levou. E eu tenho muita necessidade de falar nisto, mas não consigo! E não é à falta de me perguntarem se iria escrever sobre o mesmo... Mas o que querem que escreva ao certo? Eu queria saber o que dizer, juro!
Ainda na noite passada, sonhei que estava tudo a arder, é sonho recorrente nestes dois meses, e acordo, mais uma vez, com os gritos do meu pai ("Senhor Álvaro, venha molhar as coisas!") que continuam na minha cabeça e já são do incêndio do ano passado. Nada que se tenha comparado à tragédia que por aqui passou desta vez, mas foi a primeira vez que senti na pele o que era a iminência de perdermos as nossas coisas, a terrível adrenalina do pensamento "Eu posso morrer aqui". "Podemos todos morrer aqui", pensei muitas vezes, já sabendo do triste destino de tantos outros que perderam a vida a escassos quilómetros de nós... E do destino daqueles que viram as suas coisas a serem devoradas pelas chamas, por aquele tornado de fogo que se aproximava com tanta força de nós e trazia atrás o cheiro do medo. E o cheiro continua cá. Eucaliptos. Eucaliptos queimados. Cinzas. Terra e cinza húmida, pelo fresco da noite.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Para pessoas especiais...

Olá, olá
Ao longo deste mês, três pessoas muito especiais na minha vida fazem anos, uma delas é a minha mãe e a outra é a minha melhor amiga - que faz anos exatamente hoje! 
E quem é a minha melhor amiga? É a pessoa que partilha comigo grande parte dos serões e das refeições, até as mais tardias, em Coimbra, é quem me lava a louça quando eu estou com preguiça, é a pessoa com quem eu vejo os meus amados filmes de terror, enquanto comemos pipocas salgadas e bebemos chá, é com quem partilho a minha cama, algumas vezes, e ainda a deixo ficar com mais de metade do espaço e dos lençóis, enquanto durmo num cantinho - desculpa lá pelo desabafo público, ehehe - porque não gosto nada dela! É uma pessoa super inspiradora, cheia de vontade de viver, cheia de objetivos. Também tem umas mudanças de humor repentinas, parece que, às vezes, se chateia comigo - mas eu não sou fácil, né? - e tem a cabeça na lua, mas não me importo porque ela, pelo menos, faz de conta que me ouve. E além disso ainda é talentosa, uma ótima cozinheira (tal como eu!) e parece que sabe sempre no que estou a pensar...

quarta-feira, 14 de junho de 2017

❤ Primeiro Aniversário ❤

Olá! Há um ano, por volta das nove da noite, fazia a primeira publicação do blogue. Já estavam por aí?
Eu sei que tenho andado suuuper ausente, em grande parte por conta da faculdade - estou em época de exames e este semestre a coisa complicou. Não posso dizer que não tenho tido inspiração, porque até tenho. Juro-vos que tenho tido boas ideias, inclusive para ficção, mas o tempo parece passar tão rápido que sinto que, ultimamente, um dia deveria ter quarenta e oito horas para poder fazer tudo o que quero! (e regular o sono, também...)
Se seguem ou visitam regularmente o blogue, devem ter visto ESTE TEXTO, uma espécie de life update que fiz no mês passado. E tal, como já tinha acontecido, este mês fiquei em falta com a rubrica mensal de livros e, embora queira continuar com a vertente literária do blogue, estou a pensar em fazer uma pausa nesta área, pois não tenho lido nada e continuo com dois livros na minha cabeceira que, embora sejam bem interessantes, ainda não consegui acabar de jeito nenhum... Talvez a partir de agosto a coisa mude. Vamos confiar! Ehehe.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Um resumo dos últimos tempos

Olá, olá!
Sinto que devo uma explicação, pois tenho andado desaparecida e sei como fico intrigada quando chego a um blogue e a última publicação é de há vários meses - não é o que acontece mas dada a regularidade com que escrevo, podem pensar que desisti, por exemplo. Não desisti! O blogue está aqui para continuar e fico até espantada com a quantidade de visualizações que continuo a ter, mesmo sem o promover muito ou ter postagens novas. É sinal que estou no bom caminho, não é? Só sinto que "fracassei" no facto de este mês não ter postado a rubrica mensal de livros, mas a verdade é que não tenho lido nada e também não me posso sentir culpada por isso!
Mas enfim, não tenho escrito por vários motivos mas, principalmente, porque não tenho tido inspiração ou muita vontade para tal, quem sabe. Há um tempo, achava que a dor, o sofrimento, era o grande motor para a minha escrita e acaba por não ser de todo mentira, como tenho comprovado - não que me queixe, mas tenho-me sentido demasiado bem para escrever, entendem? Tenho estado ocupada a cuidar de mim e a fazer aquilo que gosto: ando focada em tratar a minha acne, não que isso me tome muito tempo; ando a aperfeiçoar os meus dotes de cabeleireira e na maquilhagem; entretanto também foi a Queima das Fitas de Coimbra e andava entusiasmada com isso, embora só tenha ido a uma noite ao recinto (e chegou!); estou a tentar estudar e trabalhar alguma coisita; tenho visto muuuitos filmes de terror (e também vos preciso de pôr a par disso, eheh); e ainda tenho dado umas voltitas de carro, pois preciso, definitivamente, de aperfeiçoar a minha condução.

sábado, 29 de abril de 2017

É uma dose de empatia, por favor! (Vamos falar daquele "jogo")

Tenho de vir falar disto porque tenho visto muitas barbaridades escritas e custa-me acreditar que as pessoas sejam só insensíveis, prefiro acreditar que não pensaram antes de se pronunciar...
Se estão atentos às notícias que vão passando pelo Facebook ou até a postagens dos vossos amigos, já devem ter ouvido falar, com certeza, no "jogo" da Baleia Azul. Confesso que inicialmente não estava a entender muito bem o que se estava a passar, embora tenha descoberto isto antes mesmo de chegar a Portugal, mas a verdade é que fiquei perfeitamente chocada, como se ainda não soubesse do que o ser humano é capaz. Mas entendam que eu não me refiro a quem se automutila... Refiro-me àqueles que ainda continuam a aliciar pessoas que se encontram demasiado mal para dizer não ao sofrimento que acabam até por desejar - eu consigo entender isso. Empatia, lembram-se?
Vocês sabem do que estou a falar, não sabem? O "jogo" consiste numa série de desafios que envolvem comportamentos suicidiários, como automutilação e mesmo suicídio, que é o culminar do desafio. Mas eu não fico, infelizmente, chocada com quem pratica estes atos contra si próprio, pois acabamos por saber, não só no meio em que estou, que a mente humana consegue ser a melhor e a pior coisa. E lembrem-se que ninguém, a não ser ele mesmo, pode imaginar o sofrimento psicológico daquele que se submete a um sofrimento físico que, comparado com o primeiro, não é nada. Em primeiro lugar, tentem entender isso e perdoem-me se estiver errada: a pessoa que se automutila, muitas vezes, recorre a esse comportamento quer para aliviar a dor psicológica, quer porque nem isso lhe dói tanto quanto os seus pensamentos e é uma forma de escapar a eles. Não é fácil de perceber, mas creio que é assim que funciona. Em segundo lugar, jamais podemos julgar ou criticar alguém por o fazer, ou chamá-lo de fraco, de "pobre de espírito". Como me farto de dizer, o sofrimento é muito subjetivo e aquele acontecimento que para alguém não quer dizer nada, para outra pessoa pode ser o fim.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Há título para isto?

Preciso de me explicar. Preciso que entendam no nível em que estou, como me sinto. Não venho falar de coisas depressivas ou negativas, como tem acontecido. Apenas necessito de esclarecer isto, de uma vez por todas, porque estou a ficar cansada de o repetir...
Sim, engordei "um pouco" nos últimos tempo. Sim, se calhar, como mais, sem tantas restrições e, acima de tudo, sem vergonha - vergonha de mim, nunca mais! Sim, estou dois números de calça acima do que estava há uns meses (e as calças que vestia no Secundário já nem passam na anca!). Sim, tenho camisolas tamanho XL. Sim, sou gorda.
Não estou mais naquele limbo entre o ser ou não ser - nem quero estar. E estou MUITO FELIZ com isso. Não, nunca estive tão pesada. Mas não, também nunca tive uma autoestima tão boa. E não, nunca tinha olhado no espelho da mesma maneira que agora olho. Talvez tenha crescido...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...